Notícias

Notícias - 11 out 2018

Ação social traz crianças de Centro de Educação Infantil para brincar no Câmpus Maringá

A atividade Venha Brincar e Aprender na PUCPR, promovida pelo Projeto Comunitário, possibilitou a visita de 80 crianças do Centro de Educação Infantil Marista Enfermeira Anita Cordeiro ao Câmpus

No dia 5 de outubro, acadêmicos e colaboradores do Câmpus Maringá da PUCPR tornaram mais divertido o dia de aproximadamente 80 crianças do Centro de Educação Infantil Marista Enfermeira Anita Cordeiro, da cidade de Paiçandu. As crianças, com idade de 4 e 5 anos, participaram de brincadeiras lúdicas e pedagógicas, com o objetivo de incentivar a construção de projetos de futuro.

A acadêmica Mariane Tunes Silva conta como foi ter participado: “essa foi minha segunda participação na atividade e isso me ajudou muito porque realmente compreendi as necessidades dessas crianças quando tive contato direto com elas e posso dizer que nessa segunda experiência, eu tive maior ciência de qual seria minha contribuição”, relata. Mariane ainda afirma que ações como estas fazem com que o significado da palavra gratidão seja conhecido da forma correta. “Levar carinho às crianças cultiva o que há de melhor em nós, pois feliz é aquele que sabe amar. E sim, eu amei! Porque além de me sentir feliz e em paz, fiz uma autorreflexão sobre minhas crenças, valores e princípios e por isso posso afirmar que o projeto transforma o íntimo de cada indivíduo”, finaliza.

Durante o dia foram desenvolvidas três oficinas: contação de histórias, por meio de personagens e fantoches; Artes Circenses, com show de mágicas, palhaços e brincadeiras; e Direito de Brincar, com brincadeiras divertidas, pintura no rosto e cabelo.

A colaboradora da PUCPR Priscila Regina Mantovani, que também participou da atividade, afirma que a ação é um resgate à infância e ver o resultado, por meio da satisfação das crianças, é gratificante. “As crianças realmente gostaram, elas são muito transparentes, se divertiram muito. No final, senti que não fomos nós que acolhemos elas, mas sim elas que nos acolheram, e eu vou carregar comigo todo o carinho que recebi. Elas sentiram que foi tudo preparado para elas com muito capricho, se divertiram muito, e isso é extremante gratificante”, conta.

Recomendadas para você