NTC -Núcleo de Tecnologia Celular

O Núcleo de Tecnologia Celular é coordenado pelo Professor Paulo Roberto Slud Brofman tem se dedicado a produção de células-tronco com plena capacidade de: coletar, processar, criopreservar, acondicionar, cultivar (proliferação e diferenciação), transportar e realizar o controle de qualidade (testes microbiológicos, caracterização celular e molecular, controle genético e testes funcionais) de células-tronco humanas e animais (a fresco e criopreservadas) para atender a Rede Nacional de Terapia Celular e quem dele necessitar, desde que atenda as normas vigentes. O Núcleo faz parte do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Medicina Regenerativa (INCT-REGENERA) e é composto pelo Laboratório Experimental de Cultivo Celular (LECC), onde são desenvolvidas as pesquisas básicas e pré-clínicas, Laboratório de Diagnostico e Cirurgia Experimental (LDCE) e Centro de Tecnologia Celular (CTC), onde são desenvolvidas as pesquisas clínicas.

Células - Tronco

As células-tronco são células com capacidade de auto renovação (dar origem a outras células-tronco) e de diferenciação (dar origem a células especializadas de um ou mais tecidos). Estas são importantes na manutenção e na formação dos tecidos. Há três tipos de células-tronco: embrionárias, adultas e pluripotentes induzidas. As células-tronco embrionárias têm o potencial de originar todos os tipos celulares do organismo. São encontradas no interior do embrião, aproximadamente 4 a 5 dias após a fecundação (união do óvulo com o espermatozoide). Apesar do seu grande potencial de diferenciação em outros tipos celulares, a desvantagem na utilização destas células, são os problemas éticos, a falta de compatibilidade e a formação de teratomas.

As células-tronco adultas apresentam um potencial menor de diferenciação celular quando comparadas às células-tronco embrionárias e podem ser obtidas de diversos tecidos do organismo como medula óssea, sangue de cordão umbilical, tecido adiposo, polpa dentária, entre outros. As células-tronco adultas podem ser utilizadas nas pesquisas clínicas em humanos.
As células pluripotentes induzidas (iPSC) podem se diferenciar em qualquer tecido de um organismo adulto e possuem a vantagem, do ponto de vista terapêutico, de serem empregadas no próprio indivíduo que forneceu as células adultas, não havendo a necessidade de exames de compatibilidade. Também podem ser utilizadas na pesquisa, no desenvolvimento de novos fármacos e como modelo para o estudo de doenças. Porém estas células também têm o potencial de formação de teratomas, limitando seu uso nas pesquisas clínicas em humanos.
As células-tronco têm sido utilizadas na Terapia Celular, que consiste na substituição de células doentes por células saudáveis. O tratamento de diversas doenças utilizando as células-tronco adultas tem beneficiado muitos pacientes.

Medicina Regenerativa

A medicina regenerativa tem o potencial de substituir tecidos e órgãos danificados pela idade, doença ou trauma. As terapias disponíveis, como o transplante de órgãos para tratar falhas ou perdas de órgãos e tecidos, dispõe de oferta limitada de doadores e, muitas vezes, os transplantes ainda podem gerar respostas imunes graves. Esses obstáculos podem ser potencialmente solucionados por meio de estratégias que utilizem células e seus derivados.

Devido às limitações na utilização clínica das células-tronco (CT) embrionárias e células-tronco pluripotentes induzidas (iPSC), as CT adultas têm sido as mais estudadas e utilizadas em ensaios clínicos trazendo novas perspectivas para a medicina regenerativa. Estas células possuem uma menor capacidade de diferenciação e proliferação comparativamente às CT embrionárias e iPSC, porém são mais seguras e de fácil obtenção para a utilização em pacientes.

Devido ao grande número de pesquisas na área da terapia celular, o conhecimento sobre o potencial das CT tem aumentado, o que possibilita seu uso para o tratamento de diversas doenças. Atualmente, com a medicina regenerativa, ​​há a possibilidade de tratar doenças como lesão medular, insuficiência cardíaca, degeneração macular e da retina, rupturas tendíneas, doenças articulares, doenças respiratórias e doenças neurodegenerativas, entre outras. Porém ainda há vários desafios como o mecanismo de funcionamento destas células, a eficiência da diferenciação, o isolamento adequado e a concentração das células-tronco que serão utilizadas no paciente, as vias de transplante celular, etc.  Com exceção das células-tronco hematopoiéticas, a utilização das células-tronco no tratamento de pacientes, é considerado como pesquisa clínica. A comprovação da segurança e eficácia destas células, permitirá em breve o registro de um produto que poderá ser utilizado na medicina regenerativa para o tratamento de várias doenças

Participações em Eventos

Ver mais notícias